quinta-feira, 11 de maio de 2017

Por montes e vales de Arouca - GR28 | Fotos

Algures entre o Douro e o Vouga, contemplando Aveiro e o Atlântico, o Maciço da Gralheira encerra uma Grande Rota que percorre as montanhas graníticas da Serra da Freita e da Arada, assim como os vales do Paivó e do Paiva, sobre o olhar atento da Serra do Arestal e de São Macário. O seu itinerário, com cerca de 90 quilómetros, viaja por um território de rara beleza, ligando um grande número de espaços naturais monumentais, que incluem aldeias de montanha, vales e cumeadas de onde se desfrutam extraordinárias paisagens, que por vezes cruzam o azul do oceano.

Clicar para aceder às fotos.

Num dia 5 de maio chuvoso, iniciamos a Grande Rota na pitoresca aldeia de Candal, nas imediações da Igreja matriz, seguindo pelo caminho que desce para Covêlo de Paivô. Entre gotículas de chuva, cheiro intenso a terra molhada, e tons fluorescentes de verde, subimos para as antigas minas do Muro, de onde rumamos para Silveiras. Em Silveiras, junto à Capela, iniciamos a descida para Cortegaça e dali para Meitriz. Atravessamos o Paiva na ponte para Além-do-Barco, num local onde o rio e a vegetação se fundem numa tela a cores pastel, acentuadas pelas nuvens rápidas que, entretanto, foram deixando o sol entrar. A GR28 continua agora sozinha deixando o Paiva para trás, passa no Sobral encaminhando-se, em seguida, para o lugar da Fonte Tinta e depois para Vilar de Servos. Antes de aqui chegar o Maciço da Gralheira revela-se em todo o seu esplendor com espetaculares panorâmicas sobre os meandros do Paiva, o esporão de Louredo e sobre Janarde. Depois de Vilar de Servos seguimos por uma antiga estrada florestal até Casais e Quintela por onde se entra em Alvarenga, terminado a nossa 1ª etapa na Hospedaria Silva, local da nossa pernoita e do famoso bife de Alvarenga.

No dia 6 de maio seguimos para a Vila por caminhos tradicionais, seguindo em direção ao lugar de Lourido de onde, por caminhos antigos e florestais, descemos até aos passadiços do Paiva, local onde efetuamos a travessia do rio. Seguimos para o Centro de Interpretação Geológica de Canelas, e para Gamarão de Cima, rumando de seguida para a Senhora da Mó, iniciando aqui a descida para a Vila de Arouca. Iniciamos a subida até à capela de Santa Maria do Monte, local escolhido para término da segunda etapa, telefonando ao Sr. Brandão para nos levar para a Casa de Campo da Quinta da Guerra em Nogueiró. O Sr. Brandão (proprietário da quinta) sempre muito prestável ofereceu-se para nos levar ao restaurante para jantar e ainda nos foi buscar no final.

No dia 7 de maio bem cedo, o Sr. Brandão levou-nos até à capela de Santa Maria do Monte onde retomamos a Grande Rota, subindo para a Portelada, seguindo até Souto Redondo e Póvoa Reguenga. Da Póvoa seguimos para Merujal, atingindo a cumeada e a via romana que liga Viseu à Invicta. Rumando para leste, seguimos aquela via até Parque de Campismo do Merujal. Daqui continuamos até Albergaria da Serra, calcorreando a antiga via romana até à Portela da Anta. Um pouco à frente abandonamos a via romana e subimos até ao Vidoeiro. Após passar as ruínas da antiga casa florestal, iniciamos a descida para Tebilhão até Cabreiros e daqui até Candal onde terminamos a Grande Rota 28.

A Grande Rota surpreendeu pela positiva, com as suas amplas paisagens até perder de vista, os recantos mágicos que os cursos de água albergam, repletos de vida e luz que se desprende da vegetação ribeirinha. As vilas e aldeias, com chaminés fumegantes e petiscos tradicionais, onde gentes de sorriso franco sabem acolher com generosidade, deixaram uma vontade de voltar, e um misto de saudade e nostalgia. Agora, com as montanhas lá longe, e com o vento e as estrelas a guiarem os lobos que contemplam o Atlântico, numa terra de lendas e sonhos, traçam-se novos caminhos que partem para outros Mundos. A Grande Rota continua.

terça-feira, 4 de abril de 2017

Por montes e vales de Arouca - GR28 - 5 a 7 de maio de 2017

Nos dias 5, 6 e 7 de maio vamos percorrer a Grande Rota do Arouca Geopark. Em 3 dias cruzaremos o vale de Arouca, as serras da Freita e Arada e os vales dos rios Paivô e Paiva. Ao longo de cerca de 90 quilómetros, que ligam um grande número de geossítios, as extraordinárias paisagens, as aldeias de montanha, os cursos de água, tudo surgirá de forma surpreendente.
Clicar para aceder a video de apresentação do Arouca Geopark
O percurso será realizado através das seguintes etapas: Etapa 1 (5 de maio, sexta-feira): Candal - Alvarenga (31,8 km); Etapa 2 (6 de maio, sábado): Alvarenga - Santa Maria do Monte (27,5 km); e Etapa 3 (7 de maio, domingo): Santa Maria do Monte - Candal (23,9 km).


O percurso apresenta um grau de dificuldade médio, sendo recomendável que levem comida, água, impermeável, luvas, gorro, lanterna (de preferência frontal) e calçado confortável.

Conforme habitual, agradecemos confirmação da participação p/ evasaoverde@gmail.com, p/ que possam receber mais detalhes sobre o percurso, assim como informação sobre o alojamento em Alvarenga (sexta p/ sábado) e em Santa Maria do Monte (sábado p/ domingo).

Rota de Conímbriga | Fotos

Desta vez fomos visitar um antigo povoado, desde tempos pré-históricos, o sítio de Conímbriga, ocupado pelas tropas romanas em 139 a. C., tornando-se então uma prospera cidade da Lusitânia.

Percorremos a Casa dos Repuxos e o belo jardim central, que preserva a estrutura hidráulica original com mais de quinhentos repuxos, rodeado por um magnífico conjunto de mosaicos figurativos com cenas de caça, passagens mitológicas, as estações do ano, monstros, aves e animais marinhos. Subimos as bancadas e os túneis do anfiteatro, percorremos as três termas espalhadas pela urbe, e ao pisar os mosaicos do fórum imaginámo-nos no centro político desta florescente cidade de outros tempos.

Clicar para aceder às fotos.

Após uma visita ao centro urbano de Conímbriga, seguimos pelos montes que rodeiam a antiga cidade romana, efectuando o PR1 de Condeixa, a Rota de Conímbriga. Com início em Conímbriga, o percurso dirige-se para o Vale do Rio dos Mouros, atravessando a ponte e dirigindo-se através de um caminho de terra batida que acompanha o canhão do Rio dos Mouros para a Aldeia do Poço das Casas. Ao chegar a aldeia, o percurso toma o caminho de regresso a Conímbriga. Aqui optamos por efectuar o regresso, através de uma variante do percurso que entra na Mata da Alfarda através de um monte próximo do lugar do Poço, subindo através de um caminho íngreme até ao cume, que nos presenteou com amplas vistas para Condeixa, seguindo posteriormente de regresso a Conímbriga. A partir daqui, tomamos a direcção de Alcabideque, uma das exsurgências permanentes mais importantes de todo o Maciço Calcário de Sicó. Da nascente o percurso continua entre o casario e uma vasta área de campos agrícolas até chegar a Condeixa-a-Nova, seguindo para Condeixa-a-Velha, regressando novamente a Conímbriga. 

No final de um dia bem passado, deixamos Conímbriga ao entardecer. As pedras sabiamente trabalhadas, que contam a história de um mundo antigo que persiste, ficam agora sobre o vento quente e perfumado de uma primavera que lembra outras primaveras da história do mundo, aguardando visita de todos aqueles que desejam mergulhar no tempo, até um passado que aqui parece tão próximo, e ao mesmo tempo tão distante.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Rota de Conímbriga 01/04/2017

No dia 1 de abril partiremos rumo às ruínas de Conímbriga, outrora a próspera cidade da província da Lusitânia, para efetuar um percurso pedestre nas imediações daquela que foi a maior cidade romana de Portugal fundada 138 anos antes de Cristo.

A atividade terá início às 10:00 com uma visita de aproximadamente 1 hora ao Museu Monográfico de Conímbriga, assim como às ruínas da antiga cidade. Nas ruínas poderemos observar uma série de casas, jardins e mosaicos policromos, para além da grande muralha, os restos do seu Fórum, e aquilo que ficou das suas termas.


Após a visita, por volta das 11:30 iniciaremos o Percurso Pedestre PR1 CND Rota de Conímbriga, que começa no Complexo das Ruínas de Conímbriga e apresenta cerca de 16 km de extensão, que se divide em duas secções distintas. Começaremos por efetuar os 8 km circulares que constituem a primeira parte da caminhada, virada a sudeste, percorrendo o vale do Rio de Mouros, a aldeia de Poço das Casas e a Mata da Alfarda, importante habitat de numerosas espécies mediterrânicas, terminando novamente nas Ruínas.

Quem desejar, poderá optar por efetuar também a segunda parte do percurso, que se estende por mais 8 km circulares a nordeste de Conímbriga, dirigindo-se de encontro ao Castellum de Alcabideque e outros vestígios do Aqueduto Romano de Conímbriga, continuando depois pelos campos de cultivo até Condeixa-a-Nova e passando por Condeixa-a-Velha para logo a seguir reencontrar as Ruínas de Conímbriga. Aqueles que preferirem não efetuar a segunda parte do percurso, poderão efetuar uma visita mais demorada ao Complexo das Ruínas de Conímbriga.



O ponto de encontro será na entrada do Museu Monográfico de Conímbriga às 10:00 da manhã de sábado, dia 1 de abril de 2017, nas seguintes coordenadas: 40° 5'55.33"N e 8°29'24.87"W. O percurso apresenta um grau de dificuldade baixo, sendo no entanto recomendável que levem comida, água, impermeável, chapéu, protetor solar e calçado confortável. O bilhete de acesso ao Complexo das Ruínas de Conímbriga têm um custo de 4,5 €, sendo a restante organização da actividade gratuita, conforme habitual. 

Caso estejam interessados em participar enviem um e-mail de confirmação para evasãoverde@gmail.com.